SEJA ASSINANTE APOIADOR(A)

SEJA ASSINANTE APOIADOR(A)

Apoie a produção de conteúdo gratuito

Trocando figurinhas: conheça o Ramadan

Trocando figurinhas: conheça o Ramadan
20 de abril de 2021 Ana Carolina Kerr Neppel

Iniciou-se no último dia 13 de abril o mês de Ramadan, um dos períodos mais importantes para os muçulmanos. Para representar o início dessa festividade religiosa, o Instagram lançou três “figurinhas” para os stories com símbolos do Islã. Porém, muitas pessoas sem conhecimento do seu real significado, começaram a utilizá-las de forma equivocada para gerar engajamento. Dado que além de ofender muitos muçulmanos, evidencia a falta de informação sobre essa tradição religiosa em nosso país.

O Islã é alvo de preconceitos em nossa sociedade, que costuma reduzi-lo a ações de violência, muito influenciada por uma visão parcial que algumas mídias trazem sobre essa manifestação religiosa. Por isso, acredito que o primeiro passo para a desconstrução da imagem negativa, bem como a promoção de uma maior tolerância perante o Islã, é o conhecimento sobre o mesmo.

O mês de Ramadan é o nono mês do calendário islâmico e dura de 29 a 30 dias, pois os muçulmanos seguem o calendário lunar. O Ramadan simboliza o momento em que o livro sagrado da tradição, o Corão (também chamado de Al-Corão) foi revelado pelo Anjo Gabriel ao profeta Muḥammad (Maomé) no ano de 610 ao ano de 632 da era comum.

Além disso, ele representa um dos cinco pilares do Islã[1], o jejum.  O jejum não é só de alimentos, mas também de líquidos, relações sexuais e, em alguns lugares e para algumas pessoas do fumo, é fortemente recomendado do nascer ao pôr-do-sol durante todo o mês. O jejum não é obrigatório para idosos, gestantes, enfermos, mulheres no ciclo menstrual e crianças.

O jejum é uma maneira simbólica para que os muçulmanos sintam na pele o que é passar fome, a fim de cultivar a empatia para com os mais necessitados. Sendo assim, os que não puderem jejuar neste mês devem alimentar os pobres proporcionalmente ao tempo de abstinência. O jejum é símbolo também de purificação, autocontrole e conduta moral, tendo em vista que neste período também deve-se abster de maus pensamentos e de más ações, almejando não somente a solidariedade aos mais necessitados bem como a excelência ética.

Além do jejum e da caridade, o Ramadan é um momento de recolhimento espiritual profundo, marcado por orações e pela peregrinação. Além das cinco orações diárias obrigatórias, é acrescida uma oração noturna. A peregrinação à cidade de Meca é um marco de extrema importância para os muçulmanos, pois é a cidade de nascimento do profeta Muhammad e também do Islã, localizada na atual Arábia Saudita. A peregrinação é o quinto pilar do Islã e é obrigatória, pelo menos uma vez na vida, para os que tiverem condições.

Em tempos de pandemia, no entanto, a festividade do Ramadan sofreu várias restrições pelo segundo ano consecutivo. A peregrinação foi restrita na Arábia Saudita somente aos vacinados contra a Covid-19 ou que já tiveram a doença. Em alguns países como no caso da Indonésia, a maior população muçulmana do mundo, as mesquitas (templos islâmicos) estão funcionando com capacidade reduzida em 50%.

Ao final do período (no próximo dia 12 de maio de 2021), os muçulmanos comemoram com um grande banquete, chamado de Eid Al-Fatir, que significa “celebração do fim do jejum”. A festa muçulmana é de grandeza e importância equiparada ao natal para os cristãos.

Dessa forma, creio que o Instagram criou as figurinhas do Ramadan sim para serem usadas, mas não de forma irresponsável ou desrespeitosa, para promoção pessoal ou de produtos que nadam dizem respeito à cultura muçulmana. Use-as de modo respeitoso e coerente.

Nota

[1] Os cinco pilares do Islã são cinco preceitos máximos que devem ser seguidos por todos os muçulmanos. São eles a Profissão de Fé, Oração, Jejum, Caridade e a Peregrinação.

SEJA ASSINANTE APOIADOR(A): Apoie a produção de conteúdo gratuito

APOIE A SENSO