Now Reading
Conheça a rota da comunidade LGBTQIA+ para o vale

Conheça a rota da comunidade LGBTQIA+ para o vale

Lil Nas X é rapper estadunidense que lançou a música Montero em 2021. A música e o clipe representam uma dedicação de Lil Nas X para si mesmo tendo em vista seu sofrimento na adolescência por ser gay em uma família cristã. Em 2019 ele escreveu um post no Instagram chamado Querido Montero de 20 anos e que diz: Eu sei que sua sexualidade fez você se sentir um pária entre seus pares e finalizou dizendo que se tornou a pessoa que precisava se tornar após crescer. Todo o clipe da música Montero faz referência à sua sofrida saída do armário e está permeado de passagens bíblicas. Vamos a elas.

O clipe se inicia com Adão, um homem negro, recostado na árvore do conhecimento no Jardim do Éden.  Distraído ele é surpreendido e encontra com a serpente que representa a tentação e o pecado, tenta fugir, mas, não consegue. A tentação da serpente é representada por uma forma fálica, personificando o pecado homossexual: aquilo que leva o homem gay ao paraíso é também aquilo que o leva ao pecado e, consequentemente, ao inferno. O que vemos, inicialmente, nos parece uma análise do livro de gênesis por uma temática queer. Adão tenta fugir da tentação, como qualquer outro membro da comunidade LBGTQIA+ de sua identidade e de seus desejos, mas, ao final, se rende a serpente, que o beija e lambe, cena que faz referência a um ato sexual. Eva, não é mencionada no clipe e, na letra da música, sobre ela se diz: If Eve ain’t in yo ur garden, you know that you can (Se a Eva não está no seu jardim, você sabe que pode),  fazendo uma referência a homens que publicamente e, por inúmeros motivos, se identificam como heterossexuais, mas que fazem sexo com outros homens.

Em seguida, na árvore do conhecimento, palavras de Platão presentes na obra O Banquete aparecem: Então no começo eles foram cortados em dois e ansiavam pela sua metade. Referência a mitologia grega onde seres completamente masculinos e outros feminismo foram cortados ao meio e produziram os casais homossexuais. Essa é a grande revelação da árvore do conhecimento presente no clipe: as pessoas LGBTQIA+ não são anormais ou pecadoras, pois a árvore do conhecimento nos revela sua origem não homofóbica.

Em outro momento temos uma analogia ao julgamento final. Usa-se simbolicamente a relação de cores e gênero. “Homens” de azul – dentro do padrão – seguram Adão que, após cair em tentação, usa a cor rosa em seu julgamento – fora do padrão e pecador. As pessoas de azul representam a estrutura de poder que estabeleceu a heterossexualidade como norma padrão e, aqueles que não performam dentro da norma são julgados, condenados e, consequentemente, vão para o vale. Temos aí um julgamento homofóbico de Adão. Durante o julgamento temos um público, formado por pessoas de pedra, isto é, inflexíveis e intolerantes que manifestam ódio a Adão, inclusive jogando objetos nele, tal como um plug anal.

Após ser julgado, Adão cai como um anjo, assim como ocorreu com Lúcifer, em direção ao inferno. No entanto, como foi condenado e sem direito a defesa, muda sua queda angelical e se agarra em um pole dance de cueca e botas de verniz e salto alto, fazendo referência ao estereótipo da prostituição e da promiscuidade. Nesse momento, ele sai do armário e mostra quem ele realmente é, bem como explora os estigmas associados aos homossexuais.  No momento da queda o cantor diz Call me by your name (Me chame pelo seu nome) fazendo referência a filme italiano que conta uma história de amor homoafetiva.

Finalmente ele chega ao inferno e lá encontra o demônio. Nesse encontro ele senta literalmente no colo do capeta e rebola. Aqui se descontrói o mito entorno do homem negro: forte e hétero. Adão mata o demônio e rouba seus chifres, nos mostrando que dominar sua sexualidade é ter poder sobre si mesmo. No clipe, Adão mesmo julgado e condenado, expressa sua sexualidade, nem que seja no inferno. Como se diz no Brasil: no vale. Ir para o inferno é uma fala comum infelizmente destinada à comunidade LGBTQIA+ pelos cristãos. No clipe, Adão saiu de um lugar de repressão – o paraíso heterossexual – e, no inferno, torna-se livre chegando assim no verdadeiro e real paraíso – a liberdade de ser quem se é.

 leia também

Assista ao clipe oficial

 

Leia o post no Instagram de Lil Nas X completo: https://www.instagram.com/p/CM3i2RelCkK/?utm_medium=copy_link