Now Reading
A mulher muçulmana em foco

A mulher muçulmana em foco

blank

Na semana passada celebramos o Dia Internacional da Mulher, quero falar sobre um filme e uma série, aos quais assisti recentemente. Ambos tratam do tema da mulher no Islã. Como não sou uma especialista no assunto, me dou o direito de falar do lugar de uma estudiosa do fato religioso e de mulher brasileira, imigrante na França.1Para assuntos relativos ao Islã, recomendo os trabalhos da Profa. Dra. Patrícia Prado, da Profa. Dra. Francirosy Campos Batbosa e do Me. Atilla Kus.

A série em questão chama-se “8 em Istambul”, dirigida por Berkun Oya, que trata de realidades distintas de mulheres turcas, de diferentes classes sociais e profissões, a partir da perspectiva da protagonista Meryem. Esta jovem mulher muçulmana de jeito doce e perspicaz, vai nos guiando pela história que retrata nuances importantes e delicadas de como é ser uma mulher pertencente a essa tradição dentro da sociedade contemporânea, ocidentalizada, onde a mulher já se encontra emancipada de certos valores, como a obrigatoriedade do casamento para sentir-se plenamente realizada, a submissão ao homem, a discrição quanto aos corpos e a sexualidade.

Outro aspecto importante abordado pela série, é o da desconstrução de determinados preconceitos com relação às mulheres muçulmanas (que portam o véu), através de uma outra personagem feminina, que foi criada para enxergá-las como inferiores. Este aspecto também chama a atenção para uma das principais questões do feminismo islâmico “provar que mesmo usando lenço, elas não se diferenciam de outras mulheres e que são, sim, mulheres propositivas, que sabem o que querem sem abrir mão de sua fé e da sua religiosidade”. (BARBOSA, 2018). Algo que pode ser adaptado ao contexto brasileiro, com relação às mulheres das religiões de matriz africana e, também, às evangélicas. Este processo do dar-se conta do próprio racismo, da incapacidade de enxergar a outra como igual, é enriquecedor para quem assiste e se enxerga ali.

O filme chama-se “Le Ciel Attendra”, algo como “O céu esperará” (não encontrei o título em português), dirigido pela francesa Marie-Castille Mention-Schaar. Fala sobre a abdução de mulheres francesas pelo Estado Islâmico, através da história de duas adolescentes brancas, de classe média, que passam por essa situação. Me chamou muito a atenção por estar baseado em algo que realmente acontece, não só na França, como em outros países da Europa e que tem sido manchete dos jornais nos últimos dias. Dezenas de mulheres francesas (dos 14 aos 35 anos) que foram cooptadas pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI) na Síria, encontram-se em campos de prisioneiros (muitas delas com suas crianças). Após terem sido detidas pelos curdos, fazem greve de fome para que sejam repatriadas. O governo francês, por sua vez, está negando a repatriação, pois elas teriam cometido um crime contra a França ao aliarem-se ao EI, autores dos atentados do Charlie Hebdo e do Bataclan, entre outros cometidos no país.

Trata-se de uma questão muito complexa, que exige um aprofundamento que não temos condições de fazer neste curto espaço. No que concerne o filme, é bastante perturbador perceber as táticas de manipulação e encantamento que são utilizadas para que essas mulheres se convertam ao Islã, comecem a vestir uma burca que só deixa os olhos à mostra e abandonem suas casas e suas famílias para casarem-se na Síria com esses combatentes do EI. É interessante, também, a relação das mães com essas meninas, a incredulidade e o sofrimento de não entender como chegaram a tal ponto.

Ambos o filme e a série, retratam de forma muito delicada o universo feminino dentro desses dois contextos. Mostram, também, um lado desconhecido do Islã para a maior parte das pessoas ao apresentar personagens que não representam o radicalismo caricato, que é o que mais se vê na mídia e em tantos outros filmes e séries ocidentais. O que demonstra a importância de se buscar informação sob a perspectiva da mulher muçulmana ainda tão pouco difundido.

Esta é a questão mais premente no debate público aqui na França, tanto que a grande maioria dos filmes produzidos nos últimos tempos tem sido sobre este assunto. No entanto, o discurso político dominante tem sido marcado por uma espécie de fundamentalismo laico que reduz a mulher muçulmana ao véu, ao papel de oprimida, que precisa ser salva pelos valores republicanos sem ouvir as demandas reais destas mulheres. Além de disso, tal discurso esconde uma islamofobia e xenofobia crescentes e alimentados pela extrema-direita francesa, que acusa os representantes da esquerda, que chamam a atenção para a defesa dos direitos dos muçulmanos e muçulmanas, de “islamo-gauchismo” (islamo-esquerdismo).

O feminismo islâmico, por sua vez, segundo Clarissa de Franco, utiliza o véu como símbolo de resistência e de defesa de “sua religião, atacando justamente os olhares e as construções culturais sobre a mesma. Tal resistência cria um processo de defesa identitária importante e visível, no qual ser muçulmana, ser mulher e ser feminista exigem do restante do mundo um reconhecimento sobre os modelos binaristas, preconceituosos e ignorantes sobre o qual se têm estabelecido os olhares acerca do universo das mulheres islâmicas. Enfim, as mulheres mulçumanas não precisam ser salvas pelo Ocidente.” (FRANCO, 2017).

Concordamos com a autora, mas acrescentaríamos que o ocidente precisa ouvir essas mulheres e aí está a importância do diálogo e, mais ainda, da escuta no diálogo. A produção audiovisual em torno do assunto tem um papel importante neste processo e o filme e a série acima mencionados dão um gostinho de quero mais. Fica a dica.

 VEJA TAMBÉM
Isolamento social Caputo)


Referências

AYAD, Christophe. Pressions sur Emmanuel Macron pour rapatrier en France les femmes et enfants de djihadistes détenus en Syrie. Le Monde, 01 mar. 2021. Disponível em: lemonde.fr/societe/
BARBOSA, Francirosy Campos. Mulheres muçulmanas superando o colonialismo e o patriarcado. Instituto da Cultura Árabe, 21 nov. 2018. Disponível em: icarabe.org/node/3497
FRANCO, Clarissa. Feminismo islâmico: uma consciência emergente de gênero em negociação e resistência à laicização. Instituto da Cultura Árabe, 9 jul. 2017. Disponível em: icarabe.org/mulher/
DÁDHEMAR, Margaux. « Nous voulions être dans une terre où on applique sa religion» : témoignages de femmes djihadistes. Le Figaro, 16 jan. 2020. Disponível em: lefigaro.fr/international/

Netflix
TERRIENES, Liliane Charrier. Les revenantes : ces femmes djihadistes rapatriées en Europe
TV5, 5 jan. 2021. Disponível em:  information.tv5monde.com


  • 1
    Para assuntos relativos ao Islã, recomendo os trabalhos da Profa. Dra. Patrícia Prado, da Profa. Dra. Francirosy Campos Batbosa e do Me. Atilla Kus.