Now Reading
“Deus” no primeiro debate entre os presidenciáveis

“Deus” no primeiro debate entre os presidenciáveis

Desde 1994, a Band tem a tradição de realizar o primeiro debate entre os presidenciáveis no Brasil. Neste ano de 2018, o encontro ocorreu em 09 de agosto, numa quinta-feira, reunindo mais de três horas de debate. Participaram os seguintes candidatos: Álvaro Dias (PODE), Cabo Daciolo (PATRIOTA), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (REDE), Jair Bolsonaro (PSL), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Ciro Gomes (PDT). Ricardo Boechat, mediador do programa, disse que o grupo Bandeirantes enviou o convite ao ex-presidente Lula (PT) e justificou a ausência do mesmo por estar impedido pela justiça.

Um debate que começou com falas mais duras como as de Daciolo, Boulos e, posteriormente, Bolsonaro. Não se percebeu muito a polarização direita/esquerda. O momento tornou-se muito mais uma propaganda do que uma exposição de ideias e programas. Todos, de algumas forma, ficaram marcados com frases de efeito ou expressões repetidas ao longo de suas participações, como por exemplo: Álvaro Dias: “Abra o olho, brasileiro”. Cabo Daciolo: “Para honra e glória do Senhor Jesus”. Geraldo Alckmin: solucionar os problemas do país no primeiro ano. Marina Silva: repetia as perguntas afirmando os problemas, mas sem apresentar saídas. Jair Bolsonaro: devolvia as perguntas aos candidatos sem antes respondê-las. Guilherme Boulos: “50 tons de Temer”. Henrique Meirelles: “Falta a informação básica ao candidato”. Ciro Gomes: “A democracia é uma delícia”.

É claro que a lista mostra-se injusta diante de outros comentários consistentes que foram feitos. Houve um fator importante neste programa: a citação do nome de Deus. Daciolo, Marina e Bolsonaro citaram-no já no primeiro bloco. No último bloco, “Deus” aparece nas considerações finais de Daciolo, Ciro, Bolsonaro, Álvaro Dias e Alckmin. Ou seja, dos 8 candidatos, apenas Boulos e Meirelles não fizeram menção.

Daciolo e Bolsonaro foram os que mais destacaram “Deus” em suas falas. Os dados do Google Trands apontaram que antes do debate, Bolsonaro monopolizava as buscas no google num total de 70%. Ao término, caiu para 25%. Daciolo iniciou com 1% e subiu para 22%. Já no mundo do tuíter, Daciolo teve mais de 210 mil menções (contando com os chamados memes). A curiosidade é que ele, numa pesquisa da agência FSB (Francisco Soares Brandão), foi considerado no mês de junho a pessoa de maior influência digital. Após o debate teve um acréscimo de cerca de 5 mil seguidores em uma de suas páginas no face. Hoje já são mais de 200 mil.

A retórica do cabo Daciolo no debate não foi nenhuma novidade para quem o acompanha. Todas as suas performances e declarações podem ser facilmente identificadas quando postas ao lado de sua trajetória religiosa e profissional. E isso, desde 2011, quando iniciou sua aparição na greve dos bombeiros do estado do Rio de Janeiro e de policiais militares, na Bahia. Em relação aos seus discursos em plenária, constantemente faz leituras bíblicas, julgamentos religiosos e profecias.

A cadência pentecostal e militar estão em seu discurso e também pode ser vista em seus movimentos corporais. É filho da Assembleia de Deus (embora não seja membro de nenhuma denominação) e conviveu com militares desde sua infância. Dois dias antes do debate na Band, Daciolo foi a um monte jejuar e orar. Em sua interpretação, preparariam uma cilada para ele. Estes são códigos teológicos: monte é o ambiente sacralizado pela tradição judaico-cristã, onde ocorre a revelação de Deus e a proximidade com o que há de mais sagrado; cilada é o que se pode referir ao texto do salmo 31,4, “Livra-me da cilada que me armaram”. Trata-se de uma “cilada espiritual” no caso deste candidato, uma vez que existem poderes que precisam ser derrubados: Nova Ordem Mundial / Illuminati / Maçonaria. E durante o debate, no terceiro bloco, pergunta ao candidato Ciro sobre a URSAL (União das Repúblicas Socialistas da América Latina)… este simplesmente respondeu que não sabe nada a respeito.

Em relação ao debate, veremos, sumariamente, como Dacio se portou nos 5 blocos.

 leia também

BLOCO EXPRESSÕES RELIGIOSAS UTILIZADAS OCASIÃO
1 “Glória a Deus, glória a Deus”; “Você tem direito ao trabalho e eu vou te dar o trabalho para honra e glória do Senhor Jesus”. Questão sobre o desemprego sugerida pelo Jornal Metro
2 “O grande problema que a nação está enfrentando é a falta de amor ao próximo”. Pergunta da jornalista Lana Cenepa para Álvaro Dias com comentário de Daciolo sobre violência doméstica e feminicídio.
2 “… nós vamos pegar eles (políticos corruptos) para honra e glória do Senhor Jesus)”. Pergunta do jornalista Sérgio Amaral sobre educação, aumento de ferrovias e déficit fiscal.
3 “Está chegando o momento do crescimento […] momento da prosperidade, está chegando o momento de nós clamarmos a Deus, aquele que vai dar a vitória pra nossa nação, em nome do Senhor Jesus. […] Fé, esperança e amor… vamos transformar nossa nação”. Pergunta do candidato Bolsonaro sobre divisão de ministérios.
3 “Ciro, o senhor é um dos fundadores do foro de São Paulo […] O que o senhor pode falar pra nação brasileira sobre o Plano URSAL?”; “Quero deixar bem claro que no nosso governo o comunismo não vai ter vez”; “Nossa economia ficará em primeiro para honra e glória de nosso Senhor Jesus Cristo”. Pergunta feita ao candidato Ciro e sua réplica.
4 “… vamos oxigenar o nosso país e empregar para honra e glória do Senhor Jesus”. Resposta ao jornalista Fábio Pannunzio sobre as greves em que participou e como reagiria a novas greves.
5 “Glória a Deus. Eu agradeço a Deus essa oportunidade”; “Eu sou o cabo Daciolo, servo do Deus vivo”; “Quero deixar uma mensagem aqui para os ateus, para os cristãos de forma geral… o espírita, a umbanda, o católico, o evangélico… vamos levar a nação a clamar ao Senhor […] E a mensagem que eu deixo aqui para concluir está no livro de Jeremias, cap. 29, verso 11, que diz: ‘Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês, nação brasileira, diz o Senhor. Planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano. Plano de dar-lhes esperança e um futuro. Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim e eu os ouvirei. Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração. E eu me deixarei ser encontrado por vocês, nação brasileira, assim diz o Senhor’. Glória a Deus”; “Servimos a um Deus vivo e vamos transformar a colônia brasileira em nação brasileira. Glória a Deus”. Considerações finais

 

Em apenas 2 falas o cabo Daciolo não faz nenhuma menção a Deus ou alguma indicação de expressão ligada à bíblia. Onde queremos chegar com isso? Uma das reclamações que o candidato faz é que seu nome não aparece nas pesquisas eleitorais. Mesmo assim, Daciolo tem um público que merece ser observado. Trata-se, em sua maioria, de seguidores que o consideram profeta da nação e voz de Deus no parlamento. Ele se desligou da Frente Parlamentar Evangélica no primeiro ano de seu mandato como deputado federal e registrou várias críticas aos membros dessa bancada. Sua conduta preza a ideia moral religiosa e faz questão de divulgar seus feitos e interpretações políticas (tendo a fé como base) como exemplo. A própria candidatura à presidência da república se deu por meio de profecia de uma pastora evangélica. Portanto, Daciolo não fala ao vazio e suas ideias religiosas que buscam legitimar suas decisões políticas ecoam não só pelas igrejas evangélicas, mas agradam também a um público religioso diversificado.

As pesquisas não dão esperanças para o cabo Daciolo, todavia é sempre bom lembrar que o brasileiro já demonstrou em eleições passadas (embora não para presidência) o chamado “voto de protesto”. Ainda que Daciolo não vença, sua luta encontrou espaço no PATRIOTA, nas mídias sociais, entre alguns grupos de grevistas… e pode ser que haja um número expressivo dos que votarão nele a fim de desaguar nas urnas o voto de protesto. Enquanto isso, o cidadão e a cidadã, querendo ou não, testemunham a moldura religião/política, que vai ocupando mais espaços neste cenário tão cheio de incertezas.