Now Reading
A mãe de Jesus era impura? [Impaciente] Reflexão sobre o rito de purificação em Levítico 12,2

A mãe de Jesus era impura? [Impaciente] Reflexão sobre o rito de purificação em Levítico 12,2

Estamos às portas do natal. Para a tradição cristã, a celebração do Deus encarnado. Mas não se trata de um Deus encarnado como um Adão que surgiu da terra. É um novo Adão que surge do ventre de uma jovem. Seria importante pensarmos, portanto, no ventre maternal que gera a carne divina na terra. E isso tem algumas implicações teológicas que, de maneira singela, teço abaixo.

A religião ensina aos seus súditos (a classificação é proposital) uma forma de interpretar a sociedade totalmente restrita aos seus códigos. Há um ethos específico, um habitus calculado pelos dirigentes. Geralmente, dois fatores estão presentes: o domínio masculino e a ameaça (que causa medo).

O texto de Lucas 2,21 diz que Jesus passou pelo ritual da circuncisão ao oitavo dia, como previsto pela tradição legal judaica, registrada no texto de Levítico 12,3: “E no oitavo dia, se circuncidará ao menino a carne de seu prepúcio”. A ideia do evangelista é fazer com que Jesus “entre” no povo de Deus. Depois, costurar o personagem Jesus à concepção teológica do salvador/messias. A moldura é basicamente esta.

Mas o verso posterior (Lc 2,22) precisa ser discutido neste período de natal: “Quando chegou o tempo de se cumprir o RITO DE SUA PURIFICAÇÃO [de Maria], SEGUNDO A LEI DE MOISÉS, levaram o menino Jesus a Jerusalém para apresentá-lo ao Senhor”.

O “rito de purificação” (“segundo a lei de Moisés”) está registrado em Levítico 12,2: “Fala aos filhos de Israel: Se uma mulher conceber e tiver um menino, SERÁ IMUNDA sete dias; como nos dias da sua menstruação, SERÁ IMUNDA”.

Além disso, o verso 4 orienta:

“Depois, ficará ela [a mulher] trinta e três dias a purificar-se do seu sangue; nenhuma coisa santa tocará, nem entrará no santuário até que se cumpram os dias de sua purificação”.

Verso 6 diz:

“E, cumpridos os dias da sua purificação por filho ou filha, trará ao sacerdote um cordeiro de um ano, por holocausto, e um pombinho ou uma rola, POR OFERTA PELO PECADO, à porta da tenda da congregação […]”.

E diz na sequência que é o sacerdote [homem] quem fará a expiação pela mulher.

Bem… a questão é: Maria é impura por ter parido Jesus? Você sabe (que acreditar que sim) que a pergunta adequada não é essa, porque todo ser humano em sã consciência entende que nenhuma mulher é impura e precisa levar animais para o sacerdote após gerar uma criança. A pergunta é: por que ao templo? Por que ao sacerdote?

 VEJA TAMBÉM

Antes que respondamos a isso, importante ressaltar que Lucas trabalha teologicamente a partir da tradição religiosa que lhe é comum. O problema não é ele, é o que veio antes dele e o que se reafirmou após ele na tradição cristã.

Agora… o grupo sacerdotal na bíblia é o que há de pior. Suas produções textuais e trabalhos cúlticos estão ligados à orientação de opressão e domínio. Esse tipo de ritual é também uma forma de submeter a mulher a uma posição de inferioridade constante. Pela lei de Moisés, Maria é impura neste texto e precisa levar Jesus para ser apresentado. Há autores que consideram que esse trecho é um “pretexto” para falar da apresentação de Jesus no templo (simbolizando o profeta Samuel). Não podemos desconsiderar esse evento de Maria que deve cumprir o ritual de sua purificação.

As entrelinhas gritam: “Maria é impura porque a lei diz que é!”. Essa é a desgraça da tradição, dos sacerdotes e de quem reproduz isso legitimando, de outras tantas maneiras a submissão da mulher (e de outros seres humanos tidos por “menores”) ao poder da religião.

Historicamente, Maria deve ter cumprido o rito. Independentemente disso, milhares de mulheres ainda hoje são “impuras”, classificadas como menores e forçadas a se submeterem a um sistema desgraçadamente inútil e assassino. Portanto, neste natal, reflita no que esse tipo de religião é capaz de fazer com seu discurso que não pode ser “mexido”. Condene isso! Caso contrário, estará legitimando que sua própria mãe é o que a tradição disse que Maria também era: uma imunda!, uma pecadora que precisava de um “HOMEM de Deus” para expiar seus pecados!

BASTA de sacrifícios! BASTA às violências simbólicas e físicas! BASTA aos desgraçados sacerdotes que se colocam como mediadores! BASTA dessa reprodução maldita! Pois é do ventre que nascem, inclusive, sacerdotes.