SEJA ASSINANTE APOIADOR(A)

SEJA ASSINANTE APOIADOR(A)

Apoie a produção de conteúdo gratuito

Ainda somos capazes de estabelecer alianças? Pequenas reflexões sobre o amor

Ainda somos capazes de estabelecer alianças? Pequenas reflexões sobre o amor
15 de março de 2021 Thiago Teixeira

Imagem de Bob Dmyt do Pixabay

Apresentar qualquer reflexão sobre o amor, em tempos de ódio, é profundamente insurgente. Essas reflexões servem, inclusive, para que estejamos atentos e atentas aos substratos das nossas ações. Muito se fala sobre o amor e em nome do amor, mas é preciso pensar se o nosso espírito, de fato, compreende a razão de ser, política e transformadora, deste afeto.

É necessário que nesse itinerário nós indiquemos a importância das alianças e da percepção concreta do outro, enquanto sujeito, a fim de que consigamos alterar as bases sociais que se ancoram na essencialização da violência.

Intolerância religiosa, racismo religioso, misoginia, classismo, xenofobia, LGBTfobia e demais agências de violação que se interpõem contra nós, são oriundas de uma estrutura que se retroalimenta do ódio e que, por vezes, se fortalece ao incutir em nós, através dos seus sistemas enunciativos, o auto-ódio. Esse processo faz com que as nossas percepções fiquem borradas e nos vejamos como inimigos/as quando, na verdade, o nosso real inimigo se materializa nessa estrutura bélica, restritiva e que não permite a presença da diferença.

Uma sociedade que consome e que lucra com a noção de igualdade absoluta cria um pânico moral em relação à diferença. É preciso pensar, no entanto, que as nossas diferenças são marcas constituintes da nossa condição humana.

Associar a diferença ao desprezível corresponde aos interesses de poder que se beneficiam do extermínio de narrativas, de afetos e de crenças, a fim de manter intacto o seu projeto de mundo unilateral e genocida. Audre Lorde, em Sou sua irmã, nos ensina que “nossas diferenças são usadas contra nós a serviço da separação e da confusão, pois a vemos apenas como oposição ao que somos, dominantes/subordinados, bons/ruins, superiores/inferiores”. Nessa direção, somos levados e levadas a considerar que, no âmbito da polaridade, a diferença deve ser subjugada ou executada, reverberando, assim, as métricas de um sistema colonial de ser, agir, pensar e se relacionar.

As reflexões sobre o amor desmascaram a necessidade do subjugamento, da subordinação e da execução como “etiquetas” das nossas relações, e, mais, deixam entrever o quanto são importantes as nossas alianças contra os sistemas de violência que se interpõem, de modos multifacetados, contra nós. bell hooks, em Tudo sobre o amor, nos ensina que “o amor é o que o amor faz” e, mais, “que não há justiça sem amor”. Nesse sentido, nós te perguntamos: o que fundamenta as suas ações são o amor e a justiça?

SEJA ASSINANTE APOIADOR(A): Apoie a produção de conteúdo gratuito

APOIE A SENSO