Religião e Mulheres

Religião e Mulheres
8 de março de 2019 Ana Ester

Religião e Mulheres

Escrevo esse editorial ao som da música Vaca Profana, de Caetano Veloso. Nessa edição muitas tetas nos alimentaram. Mulheres sensacionais aceitaram fazer parte desse projeto especial da Revista Senso para o 8 de Março de 2019. Os editores oficiais da revista tiveram a sensibilidade de compreender a importância de uma edição que pudéssemos chamar de nossa.

Ocupamos cada página desta publicação, com nossos deuses, nossa espiritualidade, nossa sacralidade, e, acima de tudo, nossa vontade. Vontade de contar nossas histórias, vontade de refazer nossas histórias! Diferentes mãos se juntaram para essa contação. Mãos negras, mãos transgêneras, mãos brancas, mãos periféricas, mãos acadêmicas, mãos cisgêneras, mãos dos rituais, mãos da sala de aula.

Algumas delas amigas próximas, outras companheiras de luta, mas todas elas mulheres que não abaixam a cabeça, mulheres que ousam construir uma sociedade mais equânime. Uma dessas mulheres não está aqui. Ela ficou no desejo. Enquanto eu organizava essa edição, em minha mesa estava o telefone dela, mas o tempo – ah, esse controlador de encontros – não permitiu que eu conversasse com ela. No sábado, dia 2 de fevereiro de 2019, ela nos deixou. Seu filho postou, em suas redes sociais, que sua mãe havia lhe dito que seu luto deveria ser vivido em três dias ao som de Vaca Profana. Já escuto há mais de um mês. O luto não passou, mas, apesar de eu respeitar minhas lágrimas, respeito mais ainda minha risada.

Sabrina Bittencourt, essa edição é para você.