Religião: o ópio do povo? A incompreensão da afirmação marxiana e a proposta de um outro olhar sobre a religião

Religião: o ópio do povo? A incompreensão da afirmação marxiana e a proposta de um outro olhar sobre a religião
12 de outubro de 2018 Hugo Allan Matos

Religião: o ópio do povo?

A incompreensão da afirmação marxiana e a proposta de um outro olhar sobre a religião

Por Hugo Allan Matos

© Mídia Ninja

© Mídia Ninja

A questão da religião em Marx não é tema inédito, mas apesar de muito abordado é ainda tabu entre marxistas de muitas correntes e segmentos. Não é intenção aqui entrar nesse problema, apesar de fundamental, apenas fica diagnosticado que há um fundamentalismo marxista em torno de uma noção errônea acerca da concepção que Marx tem sobre a religião e, se é assim entre marxistas em geral, pessoas que se opõem às ideias de Marx e aos movimentos que assim se intitulam, também erroneamente os julgam. Sobretudo no contexto atual de perseguição e criminalização das esquerdas e de ideais anti-capitalistas, o que também não é novo na história1.

Esta concepção errônea parece ser comum a um Lenin ou a um Stalin, até a um Engels, mas não é a concepção de Marx, qual seja: um ateísmo contra toda e qualquer religião. Marx não defende esta posição epistemológica. Alguns dos possíveis motivos desta concepção errônea podem ser encontrados na obra de Michel Loẅy: El Marxismo en América Latina. Também não é o objetivo abordar a importância de retomarmos a leitura de Marx, dado que entendo que também muitas obras já cumpriram esta função, dentre elas, além da citada, cito: “La Produción Teórica de Marx: un Comentário a los Grundrisse”; “El último Marx y la Liberación Latinoamericana: un comentário a la tercera y a la cuarta redaciones de El Capital”; “Las Metáforas Teológicas de Marx”2 e “Hacia un Marx desconocido: un comentário de los manuscritos del 61-63”. Estas quatro obras3 do filósofo Enrique Dussel formam um corpo interessantíssimo de retomada da filosofia marxiana e uma apropriação de algumas de suas ideias para pensar a América Latina.

Portanto, além de citar estas duas possibilidades, agora brevemente e influenciado por elas, quero apontar e apenas apontar, uma terceira possibilidade: é preciso entender a concepção antropológica de Marx e sua relação com a religião, para então poder bem significar esta frase. Aqui abordarei apenas de sua relação com a religião, convidando-te a pesquisar mais sobre4.

Marx foi judeu e luterano. Almejava ser professor de teologia. Seus primeiros textos foram eminentemente cristãos, comentando sobre o sacrifício da vida aos outros, a importância da união com Cristo e do serviço à comunidade como consequência deste amor.

O texto no qual Marx cita a celebre frase, é um texto intermediário e que tem um sentido muito específico, qual seja: a religião como abstração da vida material. Marx não critica, pelo contrário, participou de movimentos religiosos que concebem a religião como libertação humana. Sua posição definitiva sobre o ateísmo está nos manuscritos econômicos políticos, de 1844, onde ele diz que o socialismo é a superação prática do ateísmo, não necessita dele.


Referências

1 Além das perseguições do próprio tempo de Marx, que viveu exilando-se, não nos esqueçamos do Macarthismo estadunidense, qual possivelmente tem sido retomado pela “direita pós-verdade” brasileira.
2 Penso ser esta uma obra essencial que busca responder ao problema prenunciado da noção de religião em Marx, como refletiremos no decorrer deste texto. Estamos terminando uma tradução desta para nosso idioma português e será lançada provavelmente ainda em 2018.
3 Você pode ler e baixar gratuitamente estas obras e outras de Enrique Dussel no site do Instituto de Filosofia da Libertação (IFIL): http://ifil.org/dussel/
4 Desenvolvi um pouco melhor este tema em um texto que você encontra aqui: https://goo.gl/mH8E7o

DUSSEL, Enrique. Las Metáforas Teológicas de Marx. Ed. Verbo Divino, Navarra-Espanha. 1993.
LOWY, Michel. El marxismo en América Latina [texto impreso] / 1ª ed. en Chile .— Santiago: LOM Ediciones, 2007. 586 p.: 16×21 cms. (Colección Ciencias Humanas).
LOWY, Michel. Marxismo e religião: ópio do povo? IN: A teoria marxista hoje. Problemas e perspectivas. Boron, Atilio A.; Amadeo, Javier; Gonzalez, Sabrina. 2007. Disponivel em: biblioteca.clacso.edu.ar.

MARX, Karl.O Capital. Vol. I e II, Tomo I, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2003.