Carta a Dom Hélder sobre o decreto que o declara Patrono Nacional dos Direitos Humanos

Carta a Dom Hélder sobre o decreto que o declara Patrono Nacional dos Direitos Humanos
2 de janeiro de 2018 Marcelo Barros

Carta a Dom Hélder sobre o decreto que o declara Patrono Nacional dos Direitos Humanos

por Marcelo Barros

Antonisse, Marcel / Anefo

© Antonisse, Marcel / Anefo

Querido Dom Hélder Câmara,

Outro dia, quero lhe contar algumas novidades a respeito da nossa querida arquidiocese. Agora, quero lhe falar mesmo é do Brasil. Hoje pela manhã, passando no aeroporto de São Paulo, por acaso, entro no e-mail e leio uma mensagem do amigo Roberto Malvezzi (Gogó) contando que o governo Temer decretou que você, (acredite se quiser, você, Dom Helder Câmara, é o patrono nacional dos Direitos Humanos). Depois, João Pedro completou a informação de que se tratava de uma proposta de um deputado chamado Arnaldo Jordy do PPS do Pará que tramita na Câmara desde 2015 e que agora o Temer resolveu sancionar. Sem deixar claro porque fazia isso e que sentido tinha essa homenagem repentina. Isso é uma honra ou é um insulto? Que Direitos são esses? E de quais humanos? Os que estão no governo e dele se beneficiam?

Quais direitos humanos sobraram do congelamento de gastos do governo em educação e saúde? De quais direitos humanos o governo pensa que você é patrono – os que ainda podem restar depois das regras e normas baixadas para aliviar a barra dos latifundiários e donos de empresas que praticam trabalho escravo em suas propriedades? Os direitos humanos do povo que sem votar perde todos os dias direitos adquiridos a suor e sangue na Constituição de 1988? Que direitos humanos terão os cadáveres dos pobres que morrem sem poder aposentar-se por causa da reforma pensada pelo governo Temer?

Vai ver que nesse Natal baixou o Espírito que anunciou a Maria a novidade da encarnação do Verbo e Temer pensou nos direitos humanos dos que votaram no governo Dilma e se arrependeu da traição que fez e do golpe que deu? Será que ele quer pedir ao Moro e ao Gilmar Mendes que leve em conta os direitos humanos de Lula e dos políticos do PT que eles tanto odeiam? O que será que está por trás dessa iniciativa do Temer?

Parece que os poderes no Brasil gostam de usar o seu nome quando precisam de limpar alguma barra suja. Em 2010, o Senado Federal aprovou um aumento de 60% para os salários dos senadores. A notícia repercutiu mal no Brasil. Poucos dias depois, o Senado aprovou conceder a comenda Dom Helder Câmara para os Direitos Humanos a um bispo católico. No caso era Dom Edmilson Cruz, então bispo de Limoeiro do Norte, no Ceará. No céu, você ter sabido do que aconteceu. O bispo foi ao Senado e em discurso aberto rejeitou a comenda. Disse que seria incoerente se aceitasse aquela comenda dada pelo mesmo Congresso que legislava contra o povo e disse claro: “Quem age assim não é parlamentar. É para lamentar”.

Lutero dizia que “Deus prefere o insulto de quem é justo do que o louvor de quem pratica injustiça”. Você, Dom Helder, sempre agiu assim. Como iria aceitar tal homenagem? Mas, quem pode atualmente lhe representar para dizer claramente ao governo Temer e ao povo brasileiro porque você se sentiria constrangido em aceitar tal homenagem e que só a aceitaria se o governo mudasse totalmente o seu modo de conceber o poder e a orientação que tem em sua gestão. Quem pode lhe representar? Não creio que você preferisse que fosse a CNBB ou algum bispo ou padre. Certamente pediria a quem se sente incomodado por essa homenagem que como brasileiro e cidadão diga que o governo não tem o direito de usar o nome Helder Câmara para seus propósitos maquiavélicos e deletérios. Esperemos que o Instituto Dom Helder Câmara (IDHEC) se manifeste, que a Escola de Fé e Política Dom Helder Câmara se posicione, que a Agência de Notícias Dom Helder Câmara da CNBB denuncie e que todos os movimentos sociais gritem contra essa medida e anulem qualquer tramoia que esse governo golpista e insensível aos pobres tenha planejado.

No Natal, celebramos os santos inocentes, crianças que, segundo a tradição, foram mortas por Herodes. Hoje, devemos ser santos lúcidos, críticos e atentos ao que ocorre no mundo. José Saramago critica São José pelo fato de que, quando avisado em sonhos de que Herodes iria matar as crianças de Belém, fugiu sem antes ter advertido aos vizinhos e protegido as outras famílias. Apesar de saber que essa história é um midrash narrativo e não um fato real, atualmente temos de ser mais cuidadosos e não deixar primeiro que os inocentes morram para depois fazê-los santos. Dom Helder, você sempre foi e é nosso patrono dos direitos humanos, mas não os do governo Temer e sim os das organizações sociais que nesse 2018 vão refazer várias de suas campanhas e vão mudar o Brasil. Inspire-nos nesse caminho e nos abençoe.

Seu irmão menor Marcelo (o monge do qual você fala que jovem lhe procurou em crise de vocação e que você aconselhou. Você fala dele em uma de suas vigílias em 1965, mas evita dizer meu nome para não me expor). Agora não há mais esse risco e podemos sim colocar o nome de todos nós na sua vigília pelo Brasil. Amém.

Marcelo Barros