Revista Senso recebe o Prêmio Mineiro de Direitos Humanos 2017

Revista Senso recebe o Prêmio Mineiro de Direitos Humanos 2017
19 de dezembro de 2017 Douglas Caputo

Revista Senso recebe o Prêmio Mineiro de Direitos Humanos 2017

por Douglas Caputo

Sucesso entre a crítica especializada, a Revista Senso foi coroada com o Prêmio Mineiro de Direitos Humanos 2017, na categoria Coletivos de Comunicação. A solenidade que reuniu os vencedores ocorreu na noite dessa quarta-feira (13), na Serraria Souza Pinto, em BH.

Com menos de um ano de vida, a primeira publicação da Senso foi em abril de 2017, a revista on-line, com periodicidade bimestral, já se consolidou no segmento de Ciências da Religião, propondo uma interface com assuntos de relevância social. É que além dos dez conselheiros editoriais, pelo menos 50 colaboradores traduzem a fé em abordagens de relevância social.

Sandson Rotterdan, que ao lado de Jonathan Félix é criador e editor chefe da revista, explica que a ela não é orientada por uma linha religiosa específica. A Senso defende a pluralidade de vozes perpassadas pela tolerância com um objetivo comum, formar um conhecimento crítico em torno da fé, o que vai além das fronteiras de religiões. O respeito à liberdade de crença e à liberdade religiosa, são pilares da revista. “Esses são direitos humanos fundamentais dentro de um Estado Laico. Por isso, a revista impacta positivamente os leitores, propondo uma reflexão acessível ao grande público, muitas vezes não familiarizado com as discussões acadêmicas. Assim, ocupamos um espaço negligenciado por boa parte da mídia”,  diz o editor.

Um dos editores-chefes e criadores da publicação, Jonathan Félix, explica que a revista ajuda as pessoas a compreenderem as diversas formas de crer e não crer e, dessa forma, a construírem pontes de diálogo, superação de intolerâncias e construção de uma cultura de paz. “A Senso quer sair do lugar comum que apenas afirma que religião não se discute, para visibilizar que as formas de crer e não crer são muito diversas. Queremos promover diálogos e encontros, diferentemente dos atuais meios de comunicação que abordam religiões de maneira simplista, pouco contribuindo para o reconhecimento dos diversos sensos religiosos”, reflete Félix.

O jornalista Douglas Caputo, colaborador da publicação, afirma que a oportunidade de publicar na revista amplia as possibilidades de expressar a opinião sobre temas convergentes, como cultura, fé, religiosidade e política. “O jornalismo diário lida com temas do cotidiano, árido na modalidade opinativa, já que o determinante é noticiar com objetividade. No entanto, ao escrever para uma revista como a Senso, as possibilidades de inserção do ponto de vista de quem escreve são ampliadas. Isso exige pesquisa, apuração e um posicionamento. Esse painel amplo referenda a função social do jornalista, que vai além de informar”, ressalta Caputo.

A premiação

A premiação é concedida pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedapc). Neste ano, o tema contemplou produtos de comunicação que abordam “Mídia e Direitos Humanos”.

Para avaliar e selecionar os vencedores, foi instituído um Grupo de Trabalho composto por representantes da Sedpac e convidados da sociedade civil.

Ao todo, foram oito categorias. Coletivos de Comunicação, Produção jornalística em Áudio; em Texto; em Vídeo; em Internet; Fotojornalismo; Reportagem Especial e Campanha.

Criado em 2015, o prêmio tem o objetivo de valorizar os segmentos que se destacaram nas práticas de promoção, proteção e defesa dos direitos humanos no Estado.