Juventude Franciscana: Livres como Clara e Francisco

Juventude Franciscana: Livres como Clara e Francisco
15 de novembro de 2017 Juventude Franciscana

Juventude Franciscana: Livres como Clara e Francisco

Por Katherine Bianchini EsperGabriela Viecelin ZanattaFrei Guilherme Ximenes Castelo Branco

JUFRA DO RIO GRANDE DO SUL © Fernanda Scherer

É interessante que após 800 anos de Francisco e Clara de Assis terem vivido os seus carisma, espiritualidade e opção de vivida continuem a cativar tanta gente.  Francisco burguês da cidade de Assis, Itália, e Clara pertencente à nobreza, renunciam a tudo para vier entre os mais excluídos do seu tempo: o leproso. Que não só eram excluídos como eram considerados amaldiçoados por Deus. No entanto é em suas feridas que Francisco reconhece o rosto de Jesus Cristo pobre, humilde e crucificado, indo na contramão da imagem do Deus Majestoso e Onipotente.

A partir das Ordens fundadas por Clara e Francisco (Clarissa e Frades Menores), surge também a Ordem Franciscana Secular (OFS), destinada às pessoas do mundo secular que se comprometem a viver o carisma nas suas famílias e comunidades. Mas ainda era necessário criar um espaço jovem dentro da OFS, surge assim a Juventude Franciscana (JUFRA) em 1950.

© Fernanda Scherer

“Na Juventude Franciscana eu descobri minha cruz na forma de um tau, eu encontrei em São Francisco meu verdadeiro ideal”. Fazer parte da JUFRA – Juventude Franciscana – é um caminho de descobertas e amor. Inicia-se no conhecer São Francisco de Assis e passa a ser um processo pessoal e em fraternidade de encantamento e mudança de atitudes e pensamentos. Vivemos tempos difíceis para dialogar, carente de empatia e de amor.

Na JUFRA começamos a olhar o mundo com os olhos sensíveis e piedosos de Cristo, reconhecer todas as criaturas como irmãos e irmãs e criar motivação para lutar por um mundo mais justo, mais fraterno e muito mais humano, inspirada no luminoso ideal de vida que Francisco deixou para o mundo. O ser jufrista não é apenas uma construção individual. Ser Jufrista é estar e viver em fraternidade. O mundo é repleto de ideias e conceitos diferentes e assim, dificilmente encontramos pessoas que tenham pensamentos e atitudes exatamente iguais as nossas. FRATERNIDADE É SINÔNIMO DE DIVERSIDADE, de aceitar e amar cada irmão por seu jeito único de ser. É crescer com as diferenças e aprender com os irmãos, não apenas aqueles que comungam da mesma crença ou ideias que eu. Os desafios da nossa realidade, seja ela juvenil ou social como um todo, nos forçam a sair da zona de conforto e lutar por aquilo que acreditamos e desejamos.

© Paulo Nemitz

Ser franciscano/a é estar sensível às realidades que a juventude enfrenta, de norte ao sul do país, sair do comodismo A Juventude Franciscana foi uma motivação para o processo de ir e luta pelos meus direitos e dos meus irmãos. Assim como Francisco, sermos agentes da transformação e multiplicadores de esperança, paz e principalmente, de amor. É assumir o Reino de Deus como projeto de vida.

Uma coisa que se aprende sendo de uma comunidade franciscana e tendo vínculo com religiosos e leigos franciscanos, é que ser cristão está além de nossos atos dentro da igreja. Significa ir pra rua, olhar e fazer misericórdia com aqueles e aquelas que mais necessitam: apoiar movimentos sociais, população LGBTQ, juventudes encarceradas, etc.

O carisma Franciscano provoca a nos libertarmos de tudo que nos afasta da nossa Humanidade, que é Sagrada! É criar relação e ter sensibilidade que somos Um com o/a Outro/a e a Natureza. Tudo está interligado. Libertemo-nos do comodismo, insensibilidade e consumismo! Abracemos a Cruz de Jesus e nela todos os lugares onde a vida clama por amor e respeito!

© Fernanda Scherer

Sobre os autores

Katherine Bianchini Esper
Jufrista e Secretária Fraterna do Regional Sul III da JUFRA. Membra da Fraternidade São Damião, Porto Alegre-RS. Estudante de Engenharia Elétrica na PUCRS.

Gabriela Viecelin Zanatta
Membra do Projeto de Evangelização da Juventude da Província São Francisco de Assis (Gurizada Franciscana). Estudante de Música no IPA – Instituto de Porto Alegre.

Frei Guilherme Ximenes Castelo Branco, OFM
Estudante de Teologia na Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana (ESTEF), frade na Província São Francisco de Assis. Assessora grupos de bases voltados às Juventudes.