Os 12 Ṣàngó (Xangôs) da Bahia

Os 12 Ṣàngó (Xangôs) da Bahia
5 de junho de 2017 Hérick Lechinski (Ejòtọ́lá)

Os 12 Ṣàngó (Xangôs) da Bahia

Por Hérick Lechinski (Ejòtọ́lá)

© World Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

Muitas pessoas me perguntam a respeito de “Ayrá”, de “Aganjú” e de outras “qualidades” de Ṣàngó cultuadas no Candomblé (Brasil), então, hoje decidi escrever um pouco do que sei sobre Ṣàngó e as 12 “qualidades” do mesmo no Candomblé.

Ṣàngó é a Divindade iorubá (Imọlẹ̀/Òrìṣà) do raio, do trovão, da força, do poder e da realeza. Muitos confundem a Divindade PRIMORDIAL Ṣàngó com o 3º Aláàfin Ọ̀yọ́ (Rei de Oió) que é Tẹ̀là Òkò, que pelas características do seu nascimento é considerado uma reencarnação de Ṣàngó na Terra, mais precisamente em Ọ̀yọ́. Muitos dizem que Ṣàngó só se tornou Divindade aqui na Terra, depois da sua morte, ou seja, que é um ancestral divinizado, mas é mentira, Ṣàngó é uma Divindade primordial criada por Olódùmarè, assim como Èṣù, Ọbàtálá, Ọya, Ọ̀ṣun, Yemọja dentre outras, Tẹ̀là Òkò foi apenas uma reencarnação sua. E é de suma importância saber a diferença de Ṣàngó Divindade (Ayílẹ́gbẹ́ Ọ̀run), para Ṣàngó Rei de Ọ̀yọ́ (Tẹ̀là Òkò).

Pierre Verger, em seu livro: Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo, declara:

Na Bahia, diz-se que existem doze Xangôs: Dadá; Oba Afonjá; Obalubé; Ogodô; Oba Kossô; Jakutá; Aganju; Baru; Oranian; Airá Intilé; Airá Igbonam e Airá Adjaosi.

Reina uma certa confusão nesta lista, pois Dadá é irmão de Xangô; Oraniam é seu pai, e Aganju, um de seus sucessores. Também na Bahia acredita-se que Ogodô é originário de território tapá, e que segura dois “oxés” quando dança, sendo o seu ẹdùn àrá composto de dois gumes. Os Airá seriam Xangôs muito velhos, sempre vestidos de branco e usando contas azuis (sẹ̀gi) em lugar de corais vermelhos, como os outros Xangôs. Ao que parece, teriam vindo da região de Savé.”

Com todo respeito a tradição e aos sacerdotes do Candomblé, irei esclarecer um pouco sobre esta lista, de acordo com meu aprendizado e conhecimento.

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / Word Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / World Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

Mas antes de qualquer coisa é importante dizer que, quando o culto aos Òrìṣà chegou aqui em nossas “terras brasilis”, o culto de muitas Divindades se perdeu, e o de algumas foi miscigenado ou aglutinado ao culto de outras, como aconteceu no caso de Ṣàngó.

 1º Dadá:

Dàda é o nome iorubá dado às crianças que nascem com os cabelos encaracolados e que geralmente são consagrados ao Òrìṣà Baáyànnì (irmão do Òrìṣà Ṣàngó).

Quando se fala de Dàda como irmão de Ṣàngó, está se falando de Dàda Àjàká, irmão de Tẹ̀là Òkò, que foi o 2º Aláàfin Ọ̀yọ́. Dàda Àjàká não é um Òrìṣà, uma Divindade, foi apenas um rei, um ancestral. Possui culto, mas não é consagração em pessoas. Diferente de Baáyànnì, que é irmão de Ṣàngó (Divindade) e também era a Divindade tutelar de Àjàká, por este ser Dàda (nascido com cabelos enrolados). Consagra-se pessoas para Baáyànnì e não para Dàda Àjàká. Que assim como Odùduwà, Ọ̀rànmíyàn e Aganjú em Ọ̀yọ́, cidade de origem dos mesmos, são considerados apenas reis míticos e “cultuados” por sua importância, mas não são considerados Òrìṣà que são consagrados em pessoas…

 2º Oba Afonjá:

Confundem muito Àfọ̀njá, o Kakanfò de Ìlọrin (que era muçulmano), com Àfọ̀njá título de Ṣàngó, Àfọ̀njá é um título da Divindade Ṣàngó, encontrado em alguns dos seus oríkì…

 3º Obalubé:

Ọbalúbẹ é também um título de Ṣàngó, encontrado em alguns dos seus oríkì…

 4º Ogodô:

No Brasil fala-se que Ogodo é de origem Tapá, mas não se sabe ao certo se é uma Divindade, um Ancestral divinizado, se foi rei ou não e o que fez o mesmo ter o seu culto aglutinado ao de Ṣàngó no Brasil. Mas, confesso que AINDA (possa ser que exista) não vi e nem escutei nada sobre Ogodo de Nigerianos, muito menos relacionado a Ṣàngó…

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / Word Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / World Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

5º Oba Kossô:

Ọba Kòso, literalmente rei de Kòso, é também um título de Ṣàngó, encontrado em alguns de seus oríkì…

6º Jakutá:

Jàkúta é também um título de Ṣàngó, significando aquele que combate com pedras (de raio), encontrado em alguns de seus oríkì…

 7º Aganju:

Aganjú Ṣọlá é irmão de Tẹ̀là Òkò (Ṣàngó), foi o 4º Aláàfin Ọ̀yọ́. No Brasil fala-se que Aganjú é seu sobrinho, mas em Ọ̀yọ́ ele é seu irmão mais novo. E sua situação é a mesma de Dàda Àjàká, por ter sido um importante rei para Ọ̀yọ́, o mesmo é lembrado e cultuado através de seus símbolos, como espadas e etc. Mas não é um Òrìṣà, uma Divindade que seja consagrada em pessoas. Porém, nas religiões afro-brasileiras como o Candomblé e o Batuque e afro-cubana como a Santeria, o mesmo possui muitos filhos, e isso faz com que muitos estrangeiros vão até a Nigéria em busca de consagrações a esta Divindade e nigerianos sem escrúpulos acabam por realizar estas consagrações, apenas visando ganho financeiro…

8º Baru:

Muito se fala sobre Baru/Gbaru/Igbaru no Brasil, muitos chegam a dizer que é uma Divindade distinta de Ṣàngó, assim como já escutei quem fale que é um título de Ṣàngó dentro do templo de Ọbàtálá em Ifọ́n. Mas, também confesso que AINDA (possa ser que exista) não vi e nem escutei nada de Nigerianos sobre esta Divindade ou título de Ṣàngó…

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / Word Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / World Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

9º Oranian:

Ọ̀rànmíyàn, filho de Odùduwà, pai de Dàda Àjàká, Tẹ̀là Òkò e Aganjú Ṣọlá, foi o 1º Aláàfin Ọ̀yọ́, patriarca da dinastia Aláàfin, grande rei, ancestral de grande importância para o povo iorubá (de Ọ̀yọ́) e por isso cultuado como tal, mas não é um Òrìṣà que se consagra em pessoas, pelo menos em Ọ̀yọ́, cidade de origem do mesmo…

 10º Airá:

Como já dito por Pierre Verger: “… Ao que parece, teriam vindo da região de Savé…”. E confirmado por outros autores iorubás, na verdade Airá cultuado no Brasil seria a Divindade Àrá, Divindade dos raios e trovões, cultuado em Ṣábẹ́.

E grande confusão existe em relação a Airá/Ayra (cultuado no Brasil), que acredita-se que seja a Divindade Àrá de Ṣábẹ́, com Àrìrà, título de Ṣàngó, encontrado em alguns de seus oríkì…

10º “Intile” seria segundo alguns, o antigo nome de Ìtàsá, cidade qual Àrá era patrono…

 11º “Igbonam”

do iorubá Ìgbóná = calor, febre, título dado às divindades ligadas ao fogo, e por ser Àrá uma divindade do raio, acredito que esteja também associado ao fogo…

 12º “Adjaosi”

desconheço seu significado, pode ser que esteja associado ao culto de Àrá em alguma das regiões que o cultuam, pode ser que não…

Espero através deste pequeno artigo, desmistificar confusões que ainda existe em relação à Ṣàngó, seus títulos e suas “qualidades” no Candomblé (Brasil)…

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / Word Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́

© Àsà Òrìsà Aláàfin Òyó / World Ṣàngó Festival – Ọ̀yọ́